segunda-feira, 16 de maio de 2011

Sistema Linfático

O Sistema linfático está ligado de forma íntima ao sistema cardiovascular.
Uma de suas funções é impedir a formação de edemas e também alterações na consistência do sangue. Isso é possível devido: (1)seu posicionamento; e (2)a sua estrutura. 


Ou seja, podemos ter como princípio que todos os capilares sanguíneos possuem como companhia vários capilares linfáticos; E os capilares linfáticos possuem válvulas de sucção que funcionam como esponjas nos nossos tecidos. Dessa forma, “sempre” quando o plasma extravasar e for para o interstício (meio extracelular) ele irá voltar tanto pelo próprio capilar sanguíneo quanto, através do capilar linfático. 


Existem diferenças entre a estrutura dos capilares sanguíneos e os capilares linfáticos: (1)Quanto à presença de membrana basal; e (2)Quanto à presença de válvulas de sucção. Vamos pensar um pouco... (rss)
Ø  Se o capilar linfático tem como função sugar o líquido intersticial, então ele precisa ter uma estrutura que facilite essa absorção;
Ø  Como o capilar linfático “puxa” tudo que está entre as células, então ele não é seletivo, dessa forma, não possui membrana basal.
NOTA: A membrana basal é fundamental para a homeostase celular (das que a possuem...), pois impede a entrada de qualquer substância na célula. Em outras palavras ela age como uma peneira, selecionando tudo aquilo que entra e que sai.
            Entendido essa parte, podemos concluir que os capilares linfáticos possuem válvulas de sucção, e que eles não têm membrana basal. O que não ocorre nos capilares sanguíneos pois eles, não possuem válvulas de sucção e têm membrana basal:


A circulação da linfa ocorre de forma diferente à circulação sanguínea, pois ela segue em uma única direção. Afinal não existem vasos “levando” a linfa do coração para os tecidos e depois trazendo de volta; a linfa só é recolhida nos tecidos e chega ao coração (pois os ductos linfáticos desembocam nas veias braquiocefálicas direita e esquerda).



Como esses vasos vão sugar tudo que estiver entre as células, então juntamente com esse líquido tecidual pode ir também microorganismos. Assim, se faz necessário a presença de estruturas capazes de filtrar a linfa, esses são os linfonodos.


Os linfonodos são órgãos pequenos, arredondados ou em forma de feijão. Os quais possuem várias células de defesa (macrófagos, plasmócitos e linfócitos), agindo como um “sócio” do sistema Imunológico. Apresentam também mais vasos aferentes (“que chegam”), do que vasos eferentes (“que saem”), isso é responsável pela redução da velocidade do fluxo da linfa, fazendo com que a filtração da mesma aconteça de forma efetiva.
Existem dois tipos de vasos linfáticos, (1)Simples: nos quais só flui linfa; e (2)Especiais, ou lácteos, pois neles além da linfa circula também o quilo.
NOTA1: o Quilo é resultado do catabolismo dos lipídeos, até mesmo porque imaginem só se todo lipídeo que fosse ingerido, quando metabolizado fosse jogado na corrente sanguínea? Muita gente ia morrer cedo concordam... o mínimo que iria acontecer seria um IAM (Infarto Agudo do Miocárdio)...rss
NOTA2: esses tipos de vasos (especiais) só se encontram nas vilosidades intestinais.
Existem nove troncos linfáticos:

Esses troncos desembocam em dois ductos linfáticos: o (1)ducto Linfático Direito, que recebe os troncos: broncomediastinal dir., subclávio dir. e jugular direito; e o (2)ducto Torácico, que recebe os troncos: broncomediastinal esq., subclávio esq., jugular esq., e através do hiato aórtico os troncos lombares (D/E) e tronco intestinal (sendo que esses três últimos formam a cisterna do quilo).
NOTA: Cisterna do Quilo: dilatação sacular, localizada anteriormente à L2.

Podemos considerar que, devido a maioria do fluxo dos troncos estarem contra a gravidade, todo mecanismo pode ajudar:


Ø  Presença de válvulas nas paredes internas dos vasos linfáticos;
Ø  Contração da musculatura esquelética;
Ø  Pulsação da artéria vizinha;
Ø  Propagação na parede do vaso que se distende.

Agora temos embasamento para destacar todas as funções do sistema linfático:
Ø  Recolher dos tecidos o líquido acumulado e devolvê-lo a corrente sanguínea, ou seja, realizar a drenagem linfática;
Ø  Destruir partículas estranhas à linfa, filtrando-a;
Ø  Promover respostas imunológicas produzindo células de defesa;
Ø  Transportar lipídeos.

por Laryssa Cardoso


Um comentário: